Pesquisadores criam celular que não precisa de bateria - Gel Tutoriais

Só as Melhores.

Post Top Ad

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Pesquisadores criam celular que não precisa de bateria



Uma equipe com engenheiros elétricos e cientistas da computação da Universidade de Washington desenvolveu um celular que não depende de bateria para funcionar.

Para realizar a façanha, eles eliminaram um dos fatores que mais consome energia nos aparelhos convencionais: o processo de conversão de sinais analógicos que transmitem som em dados digitais que possam ser lidos pelo dispositivo. Dessa forma, o consumo foi reduzido a meros 3,5 microwatts.
O telefone usa duas fontes para responder a essa demanda: uma célula solar que tem o tamanho de um grão de arroz e se comunica com estações base a pouco mais de 15 metros de distância ou sinais de rádio transmitidos de uma estação a cerca de 9 metros de distância.
Este último sistema usa vibrações produzidas pelo microfone e pela saída de som durante as ligações. Há uma antena conectada a esses componentes que converte os pequenos movimentos em sinais analógicos de rádio compatíveis com estações que emitem sinal celular.
Na transmissão, o telefone usa as vibrações do microfone para transformar padrões de fala em sinais de rádio. Na recepção, ele converte sinais de rádio em vibrações sonoras que são captadas pela saída de áudio.

Foram usados componentes comuns e uma placa de circuito impresso na montagem do protótipo, e os pesquisadores conseguiram fazer com que o aparelho efetuasse e recebesse ligações via Skype sem complicações. Para isso, construíram uma estação personalizada para transmitir e receber os sinais de rádio, mas a tecnologia concebida pela equipe poderia ser integrada à rede celular já existente ou até mesmo a roteadores Wi-Fi caseiros.
"Você poderia imaginar no futuro que todas as torres de celular ou roteadores Wi-Fi poderiam vir com nossa tecnologia de estação base incorporada. E, se toda casa tem um roteador Wi-Fi, você poderia ter cobertura do celular sem bateria em qualquer lugar", comentou Vamsi Talla, coautor do projeto, ao blog da universidade.
Os pesquisadores ainda trabalham em formas de melhorar o protótipo para que ele ofereça mais cobertura, criptografia e até um esquema de transmissão de vídeo por uma tela interativa feita com e-ink.

Fonte: Olhar Digital

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad